13.7.10

"Não é nos largos campos ou nos jardins grandes que vejo chegar a Primavera. É nas poucas árvores pobres de um largo pequeno da cidade. Ali a verdura destaca como uma dádiva e é alegre como uma boa tristeza. Amo esses largos solitários, intercalados entre ruas de pouco trânsito, e eles mesmos sem mais trânsito que as ruas. São clareiras inúteis, coisas que esperam, entre tumultos longínquos. São a aldeia na cidade."
Bernardo Soares - "Livro do Desassossego"

8.3.10

Primavera em Betão 2010


"...cidades ardem dia e noite..."
.
Surge no seguimento do projecto de 2009, tornando o concurso de âmbito nacional numa edição anual. Em sintonia com os objectivos do Núcleo de Arte Fotográfica do Instituto Superior Técnico, seu organizador, tenta-se este ano, direccionar o concurso para participantes que tenham vontade de expor trabalho e aproveitar esta ocasião para formalizar e materializar ideias num projecto. Procuramos atrair quem queira sujeitar o seu trabalho ao público, crescendo através desse processo, como observador e como fotógrafo.

O Concurso de Fotografia de Primavera é um concurso sazonal e pretende fomentar o gosto pela fotografia como forma de arte. O Concurso consiste em apresentar um conjunto de 3 fotografias, a cores ou a preto e branco, captadas com câmara analógica ou digital, que dêem significado ao tema proposto e que constituam um conjunto equilibrado e estimulante do ponto de vista estético.

Regulamento, prémios e juri disponíveis em www.nucleoartefotografica.com.

Para informações e dúvidas naf.ist@gmail.com

7.9.09

TODOS

Mais do que um Festival, que promete cruzar fotografia, música, cinema, dança, gastronomia e muito mais, TODOS será uma grande Festa que, ao longo de quatro dias, irá dar voz às diversas culturas que habitam Lisboa ou por aqui passam.

À Orchestra di Piazza Vittorio (Roma) e à Incrível Tasca Móvel (Portugal) juntam-se fanfarras da Índia ou danças da Moldávia, nesses dias em que habitantes do bairro poderão levar o público às suas próprias casas, a descobrir uma escadaria de azulejos à luz da vela ou uma mesquita onde só os homens estão autorizados a entrar. Destaque também para a participação do fotógrafo francês Georges Dussaud, há alguns meses a trabalhar no terreno, cujo trabalho final será instalado nas paredes vazias dos edifícios, revelando imagens novas de uma população fulgurante oriunda de vários pontos do mundo.
TODOS será um encontro entre as tradições portuguesas e estrangeiras; um encontro entre moradores, artistas e o público da múltipla Lisboa. Momento de diálogo e de troca, irá dividir-se entre eventos de rua de maior dimensão e acontecimentos mais intimistas, que ligam os visitantes à comunidade e aos criadores convidados. Lojas, restaurantes, cabeleireiros, lugares de culto e associações tornam-se protagonistas nesta caminhada de outros povos que habitam a cidade e que são também lisboetas.


A não perder em Lisboa, entre o Martim Moniz e a Igreja dos Anjos
(Entrada livre)
10, 11, 12 e 13 de Setembro
Programa mais detalhado aqui
ou aqui

15.7.09

Eduardo Gageiro


Exposição do conhecido fotojornalista português Eduardo Gageiro "A Cidade de Lisboa” no Museu da CARRIS, até 18 de Julho de 2009.
As imagens captam momentos da Lisboa dos anos 60 e 70, do Ascensor da Bica e da Glória, da fadista Amália Rodrigues ou de anónimos, com a mestria que valeu a Gageiro mais de 300 prémios de fotografia.
Mais informações aqui
Estação de Sto Amaro
Rua 1º de Maio, 101 - 103

28.4.09

Refrescos


Praça Luís de Camões quiosque - Joshua Benoliel - 1908
in Arquivo Fotográfico

Praça Luís de Camões - quiosque - 2009
Ana Caracol - Positivado apartir de Fotografia Estenopeica

23.4.09

Lisboa 1858

Albumina de Amédée Lemaire de Ternante. Lisboa, 1858. Colecção Alcídia e Luís Viegas Belchior (© CPF ANTT/MC)


O Arquivo Nacional da Torre do Tombo apresenta uma exposição Fotográfica sobre Lisboa em 1858, do pintor e fotógrafo francês Amédée Lemaire de Ternante.
Esta mostra representa um dos mais antigos e mais ricos conjuntos de imagens fotográficas da Capital. A mostra suscitará olhares diversos tanto do historiador, do urbanista ou do curioso como do esteta, pois aqui e ali, certas composições falam bem do modo como o seu autor encarava o registo fotográfico. Este conjunto de imagens pertence ao Centro Português de Fotografia e integra a colecção Alcídia e Luís Viegas Belchior. Serão também apresentadas algumas gravuras de Lisboa, do mesmo período, da Colecção Castilho, do Arquivo Nacional da Torre do Tombo.
Em complemento com as imagens produzidas por Ternante serão também apresentadas algumas provas de época, com recurso a diferentes processos fotográficos (papel salgado, albumina, cianotipo) que nos mostram a Torre de Belém e o Palácio das Necessidades, locais emblemáticos de Lisboa, associados à vida de D. Pedro V, pertencentes à Colecção Castilho, do Arquivo Nacional da Torre do Tombo.

Horários e datas aqui

30.3.09

Primavera em Betão




O concurso "Primavera em Betão" é organizado pelo Núcleo de Arte Fotográfica e pretende fomentar o gosto pela fotografia como arte e pela cidade como habitat. O concurso consiste em fazer um conjunto de 3 fotografias, a cores ou a preto e branco, captadas com câmara analógica ou digital, que dêem significado ao tema proposto, formando um conjunto estimulante. Sabe mais aqui
Adicionar imagem

Adamastor

Ana Caracol - Positivado a partir de Fotografia Estenopeica (pinhole)  
Miradouro de Sta Catarina, Adamastor 

" Fernando Pessoa apareceu duas noites depois (...)
Sempre tem estado lúcido quando lhe aparece Fernando Pessoa, está lúcido agora quando o vê sentado, de costas, no banco mais próximo do Adamastor, é inconfundível aquele pescoço alto e delgado, o cabelo um pouco ralo no cimo da cabeça, além disso não são muitas as pessoas que andam por aí sem chapéu nem gabardina, é certo que o tempo se tornou mais ameno, mas à noite ainda refresca. Ricardo Reis sentou-se ao lado de Fernando Pessoa, no escuro da noite sobressai a brancura da cara e das mãos, a alvura da camisa, o resto confunde-se, mal se distingue o fato preto da sombra que a estátua projecta, não há mais ninguém no jardim, no outro lado do rio vê-se uma fiada de inseguras luzes rente à água, mas são como estrelas, cintilam, tremem como se fossem apagar-se, e persistem.
Julguei que nunca mais voltasse, disse Ricardo Reis (...)."

"O Ano da Morte de Ricardo Reis" - José Saramago

18.12.08

MADRAGOA REVISITADA por Carolina Ricarte






















Por processo digital numa HP Photosmart R717 6.2 megapixels

16.12.08

11.12.08

MADRAGOA REVISITADA capítulo I

INÍCIO


Lisbon Revisited é uma série.
A cidade é a causa. A poesia é o mote. A memória é o propósito.
Lisbon Revisited procura a criação de memórias ao revisitar um estado de espírito adito a um local. Memória. Que se cria por uma FORMA e que a ultrapassa. Torna-se independente e vive dentro do sujeito que a criou, mantendo-se oculta até ser novamente solicitada. Quando isso acontece ela regressa moldada e independente do local que a criou. É paralela.
Existe uma cidade inteira assim. Paralela. 
A cidade cosida pela memória é feita de pequenas peças individuais e nunca corresponde à cidade real.
Lisbon Revisited é um vírus que se aproveita da memória de um individuo, esmiuçando-a enquanto este revisita o local que a criou. 
Tentando criar o mapa da cidade paralela, sensorial mais que imagética, vamos criar a nossa própria cidade, unindo os pontos.